21 de janeiro de 2009

Entrevista: Ensino à Distância - EAD: questões fundamentais.

Leia a entrevista exclusiva do Prof. Dr. Stavros P. Xanthopoylos - Diretor Executivo do Programa FGV Online.
Por Jorge Baraúna - Assessor de Comunicação da ANGRAD

ANGRAD: Como o Sr. vê o EAD no Brasil hoje?

Prof. Stravos: O EAD é o caminho para a expansão do acesso à educação de qualidade e para a democratização do conhecimento no Brasil, fatores chaves para o desenvolvimento do nosso Pais. Com as novas tecnologias que vêm sendo desenvolvidas, cada vez mais baratas e acessíveis, é possível estimular a interatividade entre professores e alunos, levando os estudantes a buscarem e a escolherem de que forma vão se relacionar com o mundo para o seu desenvolvimento e capacitação. Aquele cenário em que o professor ficava lá na frente falando, enquanto o aluno só ouvia, já está ultrapassado. Por exemplo, hoje, as fontes ultrapassam os meios físicos limitados de acesso, ou seja, livros e enciclopédias impressas. A internet oferece o conteúdo que você quiser em níveis de alta confiabilidade, assim o papel dos professores-tutores e das instituições de ensino na educação a distância é atuar justamente como um coach, um orientador do aluno - para que ele assuma uma postura crítica e de fato aprimore cada vez mais o seu conhecimento interagindo em rede com os seus colegas e o professor. Uma das grandes vantagens do EAD é a produção intensa de textos: ao contrário do ensino presencial, no qual o aluno participa oralmente das aulas, na educação a distância, ele é obrigado a escrever, escrever e escrever, o que só ajuda na estruturação de idéias, no raciocínio e no aprendizado da língua portuguesa.

ANGRAD: O Sr. acredita que os profissionais de educação estão preparados para o EAD?

Prof. Stravos: Aqueles que estão investindo seu tempo para entender a metodologia, para compreender as mudanças que vêm ocorrendo no processo de aprendizagem e para reinventar o seu papel como professor definitivamente estão preparados. Não usei o gerúndio à toa: a docência na educação a distância é uma tarefa que exige um aprimoramento diário, pois a cada dia surgem novas tecnologias e o professor precisa acompanhar esse ritmo. É por isso que nossos professores-tutores passam por um treinamento intensivo antes de começarem a atuar nos nossos cursos. Claro que ainda existe resistência por parte de alguns professores que não querem abdicar do papel de protagonista que exerciam antigamente. Mas acredito que esse é um número cada vez menor de profissionais. Lembrando que num futuro bem próximo o professor já será um individuo inserido cada vez mais nesse meio, ou seja, as instituições terão que necessariamente estar prontas para absorver a geração dos nativos digitais, aqueles que já nasceram interagindo no ambiente virtual.

ANGRAD: Diante do saneamento e do processo de adequação aos requisitos de qualidade estabelecidos pelo MEC, aos quais se submeterão as IES, quais suas expectativas para o futuro do EAD?

Prof. Stravos: Segundo dados da Abed, só em 2007 tivemos cerca de 972.800 pessoas fazendo cursos a distância em instituições credenciadas pelo MEC. Os levantamentos mostram que o EAD só tende a crescer no Brasil. Por isso, acho a participação do Ministério da Educação fundamental e um indício de que a educação a distância está ganhando no país a importância que merece. O MEC exige que haja encontros presenciais em cursos de graduação e de pós-graduação a distância e, para que isso seja cumprido, os pólos das instituições precisam ter um mínimo de infra-estrutura, como laboratórios e biblioteca, além de uma equipe qualificada. É preciso, portanto, que haja mesmo esse controle. A sociedade só tem a ganhar.

ANGRAD: Como a FGV desenvolve essa modalidade de ensino?

Prof. Stravos: A educação a distância surgiu na FGV em 1995. Todos os conteúdos dos nossos programas são desenvolvidos pelas Escolas e pelos professores da FGV. Estamos sempre investindo em novas ferramentas, em novas práticas de tutoria, sempre com o objetivo de impulsionar a interatividade e tornar o processo de aprendizado cada vez mais dinâmico e mais rico para os nossos alunos.

Ao cursar um dos nossos programas, os participantes podem estudar o nosso material didático de três formas: na versão impressa, no fichário que enviamos a eles pelo correio; a partir de um CD; ou no próprio ambiente online. Os alunos contam com uma sala virtual, na qual interagem com o professor-tutor e com os colegas (participam de fóruns, postam dúvidas, assistem a vídeos, etc.) e acessam a biblioteca virtual, que mantém mais de 45 mil textos. É bom ressaltar que, durante todo o curso, o aluno recebe orientações do professor-tutor e conta com uma equipe de suporte técnico.


Stavros Panagiotis Xanthopoylos é: Diretor Executivo do Programa FGV Online, Doutor em Administração de Empresas pela FGV-EAESP. Engenheiro de Produção, com Especialização em Qualidade e Produtividade pela Escola Politécnica da USP. Professor do Departamento de Operações da FGV-EAESP, desde 1994. Leciona e coordena cursos em nível de pós-graduação em EaD há mais de 10 anos pela FGV. Realizou trabalhos de consultoria e pesquisa no Brasil e no exterior, com ênfase em excelência operacional, na Europa e Ásia, em empresas de médio e grande porte. Coordenou projetos de consultoria pela FGV Projetos em diversos ambientes da administração pública. Especialidades: Gestão de Operações, Gestão da Cadeia de Fornecimento (SCM), Qualidade e Produtividade, Otimização de Processos e Gestão do Conhecimento.

 
Últimas
Notícias ANGRAD
Mais lidas
próximos eventos
data 11/01/2018
Mesa Redonda: o ensino em Administração e o mercado de trabalho
Santarém / PA